Skip to main content
Álcool isopropílico

Como reduzir o Álcool Isopropílico na Impressão

Álcool Isopropílico

Eu sou Pedro Luís Braghin Batista e te convido a conhecer o mundo da impressão sem álcool.

Muito bem, esse é um assunto muito interessante. Tenho visto todo tipo de exemplo: gente que não gosta de trabalhar sem álcool isopropílico. Gente que gosta, gente que quer reduzir ou eliminar o álcool mas não consegue e até gente que não sabia que dá para trabalhar sem ele.

Vamos começar do começo: o IPA – álcool isopropílico, é um aditivo de molha. colocamos cerca de 10% na solução de molha para melhorar as características humectantes e com isso reduzir a quantidade geral de água. O álcool é tão bom que funciona como mágica: se o impressor tem dificuldade de estabilizar a carga, o que ele faz? – coloca álcool. Se ele tem problemas de manchas, o que ele faz? – coloca mais álcool; se ele não tem nada… o que ele faz?…- mais álcool.

A verdade é que cada % de álcool na solução altera as propriedades químicas e físicas do equipamento e muitas das vezes “mascara” o resultado final. Eu gosto de dizer que ele é um remédio para dor de cabeça, você ataca o “sintoma”, mas não conhece realmente a “causa”.

Porém tem um grande problema: da mesma forma que ajuda, o álcool pode atrapalhar… e muito! Primeiro que a impressão fica sem brilho, sem vida. E para se obter um resultado visível mais saturado, é necessário aumentar muito a carga de tinta. Isso gera um efeito dominó e se não souber trabalhar com ele, vai ser difícil estabilizar o equipamento. Com uma carga de tinta muito grande na rolaria, o impressor vai precisar aumentar a quantidade de água no sistema. Ao  fazer isso a tinta na rolaria emulsionará mais e o impressor terá de aumentar mais a carga… e esse ciclo não tem fim: mais tinta, mais água; mais água, mais tinta… até se perder. Até a rolaria ficar “chiando” e não se controlar mais a carga.

O álcool também faz mal para a saúde, não é comprovado mas há os que dizem que pode causar até cancer. Li um artigo uma vez que dizia que um estudo comprovou que o IPA pode afetar a visão (Não encontrei a fonte exata do estudo).

Eu defendo muito o uso de soluções que reduzem ou eliminam o álcool. Operei equipamentos sem o uso do álcool e senti melhoras notáveis.

Primeiro: é verdade que nem todo equipamento consegue produzir sem álcool, e eu vou explicar o porquê. Equipamentos sem refrigeração ou com estabilidade de temperatura deficiente não se dão muito bem sem álcool. Rolarias muito gastas e desreguladas também não.

NÃO é verdade que precisa estar com uma rolaria nova para que se reduza ou elimine o álcool, mas precisa SIM estar em condições e bem reguladas.

NÃO SE ESQUEÇA DE CONHECER OUTROS POSTS! 

 

Eu costumo fazer uma analogia: Imagine uma parede de tijolos com um reboque bem espesso. Mesmo que os tijolos não estejam bem alinhados, o reboque consegue cobrir e fazer um acabamento aprumado. É isso o que ocorre quando se trabalha com álcool, ou seja, como você tem um quantidade grande de água e tinta na rolaria, você não nota diferenças de regulagem ou desgastes.

Mas quando se trabalha sem álcool, o volume de água e tinta na rolaria é mais justo. logo, se “os tijolos” não estiverem bem alinhados, o “reboque fino” não vai conseguir cobrir as deficiências da parede.

Em outras palavras: as soluções químicas que substituem o álcool alteram a viscosidade da água. O impressor passa a trabalhar com menos água no sistema e por isso, consegue estabilizar menos tinta na rolaria para atingir a carga ideal. Lembrando que o álcool tira o brilho da tinta, sem ele o impressor atinge brilho e saturação com um “filme” de tinta menor na rolaria.

Se a rolaria não está bem regulada, ou se está gasta esse “filme” de tinta mais fino não permite uma transferência adequada e isso pode causar problemas de impressão.

Mas não se assuste! Ajustar uma rolaria não é um ponto negativo… mas sim uma garantia de produzir com mais critério e aumentar a produtividade, qualidade e lucratividade!

Quando se trabalha sem álcool isopropílico, mesmo as soluções sem álcool sendo geralmente um pouco mais cara, acaba se economizando grandemente. O álcool isopropílico é volátil e precisa ser reposto durante todo o tempo. Essa variação gera alto consumo e é difícil de controlar, o que gera perda de tempo produtivo e oscilação de tonalidade. Logo, trabalhar sem o IPA tem uma vantagem não só produtiva, como econômica.

Há também uma vantagem em relação ao consumo de tinta, que diminui perceptivelmente.

Como devo avaliar se posso ou não eliminar reduzir?

Primeiro: TENTE!

Eliminar totalmente nem sempre é possível, mas reduzir… com certeza! Sempre dá para melhorar.

Contate fornecedores confiáveis e explique seu objetivo. Existem várias linhas de produtos no mercado que com certeza um se adequará ao que você precisa.

Uma avaliação será necessária. Evite “tentar” o uso do produto sozinho. Queira um técnico durante os testes, pois ele é quem vai dizer as propriedades e características do produto. Instruirá o seu uso e fará a transição o mais tranquila possível.

Eu já vivi experiências nada confortáveis ao se tentar trabalhar sem álcool, tudo por falta de informação. Os produtos “sem álcool” (quando de um fornecedor confiável) relamente podem ser a solução para o probema: álcool. No entanto, tem diferenças e particularidades que precisam ser entendidas e analisadas para que o sonho não vire um pesadelo.

Novamente eu defendo a eliminação do álcool, mas cada um tem sua estratégia, sua cultura, seu objetivo. Fique à vontade para explorar esse mundo e encontrar sua forma de trabalho.

 

Se sobreviveu até aqui, deixe seu comentário, compartilhe e sugira novos temas!

CONHEÇA MEU E-BOOK: A PRIMEIRA IMPRESSÃO NÃO É A QUE FICA

 

álcool isopropílico

Share This:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *